Mais Beiras Informação

Diretor: Paulo Menano

Autárquicas 21: Entrevista a Anabela Fians, candidata do UNIR FATELA à freguesia da Fatela (Fundão)

Após quatro anos de mandato, retomam agora as eleições para as Autárquicas 2021 e o Mais Beiras Informação decidiu ir ao encontro dos candidatos, colocando-lhes algumas questões, para que possam partilhar a sua visão e planos para o futuro do Município a que se candidatam. Anabela Fians é candidata do movimento Unir Fatela à freguesia da Fatela, no Fundão.

 

Quais os motivos da sua candidatura a estas Autárquicas e quais os pilares da mesma?

Esta candidatura surge da necessidade de UNIR as pessoas em torno de novos projetos, trabalhando em conjunto, trocando e aceitando ideias e experiências de forma a garantir um futuro equilibrado, pacífico e promissor. A proposta de projeto apresentada pela lista UNIR pretende corrigir a divisão que existe e unificar a freguesia, dando voz a toda a população, num projeto conjunto, onde todos têm a sua opinião, que será sempre ouvida e valorizada. Todos os projetos serão sempre para o bem-estar e desenvolvimento da nossa freguesia. Não iremos esquecer a pandemia que complicou a vida e a economia de tantas famílias, na certeza, porém, de que serão sempre apoiadas com segurança e privacidade, pela nossa equipa. Os nossos pilares serão a União, Neutralidade, Inovação e Responsabilidade, sendo que o dinamismo, a dedicação, o apreço pela aldeia e a honestidade serão a base de toda a nossa atuação.

O que considera ter de diferente relativamente aos outros candidatos?

A principal diferença é que eu pretendo promover a união de toda a população. Aceitarei, abertamente, as críticas e opiniões construtivas, de todos, dado que jamais pretenderemos uma Junta de Freguesia gerida por alguns, para alguns, mas sim gerida por todos, para todos! Dialogar será a palavra-chave, em conjunto com neutralidade e transparência da minha parte. Estarei atenta e tudo farei para evitar a existência de grupos anónimos, que ofendem cidadãos da freguesia, criando mau estar e a divisão da população. Para além disso, algumas das propostas integrantes do meu programa eleitoral de há quatro anos foram postas em prática o que revela que percebo quais as necessidades da freguesia.

Quais os setores/áreas/investimentos que considera importantes impulsionar ou melhorar a freguesia?

Principalmente a área social, apoiando quem mais precisa através da criação de um Gabinete de Apoio às áreas sociais, agrícolas e profissionais. Criar espaços de convívio e de união para todas as faixas etárias também é um ponto importante a melhorar na freguesia. Impulsionar o turismo rural e apoiar o setor primário, nomeadamente a agricultura. Apoiar a criação de um espaço comercial evitando que as pessoas se tenham de deslocar à cidade ou a aldeias vizinhas para adquirir os bens primários de que necessitam.

Qual a análise que faz aos últimos quatro anos da freguesia?

A aldeia caiu num marasmo e é notória uma divisão populacional. Os projetos desenvolvidos ao longo dos quatro anos foram herdados de anteriores executivos e de promessas eleitorais apresentadas na minha candidatura anterior. Perante o manifesto eleitoral do candidato da lista opositora muito mais poderia e deveria ter sido feito.

Como olhar para os dados dos últimos Censos da freguesia divulgados em Julho pelo INE?

É um olhar triste e desolador (dada a variação de -19% na população residente entre 2011 e 2021), onde a migração é muito notória. Os jovens são obrigados a sair da nossa aldeia por falta de condições. Tal deve-se à inércia de anteriores executivos que não aproveitaram projetos candidatados a apoios financeiros nestes últimos 10 anos nos quais poderiam e deveriam ter apostado.

Falando de uma freguesia localizada num concelho situado no Interior, que políticas acredita serem necessárias implementar pelo Governo para diminuir o despovoamento e a desertificação desta região?

Uma das políticas a implementar é, sem dúvida, o apoio à construção e recuperação de imóveis, bem como o apoio à fixação de jovens (criação de emprego e apoio á natalidade). A implementação de programas de fixação da população nas aldeias do interior, assim como o investimento na saúde e na educação são medidas necessárias para diminuir o despovoamento e a desertificação da região.

Fernando Gil Teixeira