Mais Beiras Informação

Diretor: Paulo Menano

BE Viseu reuniu com profissionais de saúde do ACES Dão Lafões

Representantes da candidatura do Bloco de Esquerda às eleições legislativas pelo círculo  eleitoral de Viseu, reuniram ontem, no Solar dos Peixotos, em Viseu, com profissionais de saúde do Centro Hospitalar Tondela Viseu, EPE, do ACES Dão Lafões e representantes do SIPEnf.

A reunião teve como objetivo ouvir os anseios e as dificuldades destes profissionais, no exercício das suas funções de prestação de cuidados.

Neste momento, faltam instalações, equipamentos, e recursos humanos, diminuiu o número de doentes atendidos e aumentaram as listas de espera.

As obras na urgência do CHTV,  que deveriam estar concluídas em Dezembro de 2021, ainda estão longe de terminar.

A falta de recursos humanos provoca a sobrecarga dos profissionais de saúde, que são obrigados a fazer vários turnos seguidos, sem descanso, para poderem responder à necessidade de vacinação contra a COVID-19.

Os poucos profissionais contratados a prazo, por causa da pandemia, já eram necessários antes, e não chegam para cobrir todas as falhas.

Os profissionais de saúde estão desmotivados devido à sobrecarga de trabalho, condições de trabalho penosas e carreiras pouco atrativas, com condições de progressão que nunca permitem atingir as posições de topo.

As diferenças contratuais entre CTFP e CIT dão origem a conflitos e desigualdades entre profissionais da mesma classe.

No ACES Dão Lafões, verificou-se o encerramento do atendimento noturno em Mangualde, entre as 20h e as 8h, que supostamente seria temporário, mas que ainda não reabriu, temendo-se que este encerramento passe a ser definitivo, obrigando a população daquele concelho a recorrer à urgências do hospital de Viseu, com longas horas de espera para serem atendidos e todos os custos inerentes a essa deslocação.

O Bloco de Esquerda entende que é benéfico para as populações terem cuidados de saúde de proximidade, num horário mais alargado, em todos os concelhos do distrito de Viseu, possibilitando a resolução de situações clínicas menos complexas, diminuindo a pressão sobre a urgência do hospital de Viseu, libertando esses recursos para as situações efetivamente urgentes.