Mais Beiras Informação

Diretor: Paulo Menano

Presidente da CIM Viseu Dão Lafões pôs lugar à disposição devido a estrada inaugurada duas vezes

O presidente da Comunidade Intermunicipal (CIM) Viseu Dão Lafões, Fernando Ruas, disse hoje que colocou o seu lugar à disposição por não poder tolerar situações como a verificada recentemente em Germil, onde uma estrada foi inaugurada duas vezes.

Fernando Ruas (PSD) levou esta informação à reunião pública da Câmara de Viseu, que também preside, para deixar o aviso de que não tolerará situações destas.

Segundo Fernando Ruas, uma vez que a CIM é dona da obra – a estrada municipal de ligação da Estrada Nacional 329-1 a Germil (no valor de 400 mil euros) – foi-lhe pedido que fizesse a inauguração, a 25 de maio.

“Fiz a inauguração com os dois presidentes de câmara dos concelhos envolvidos e uma senhora presidente da Junta, a quem permitimos que usasse da palavra”, contou o autarca, referindo-se aos presidentes das câmaras de Mangualde e de Penalva do Castelo e à presidente da Junta de Freguesia de Germil, todos eleitos pelo PS.

Segundo Fernando Ruas, “passados uns tempos houve outra inauguração”, onde estiveram as mesmas pessoas, mais João Azevedo, antigo presidente da Câmara de Mangualde e que é deputado parlamentar do PS e vereador da oposição na Câmara de Viseu, e José Morgado, antigo presidente da CIM e atual vice-presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro.

Ruas destacou o facto de, na segunda inauguração – a 12 de junho, para a qual não foi convidado – estar um “grupo monocromático (PS)” a cortar a fita.

“Naturalmente que, perante esta situação, não tinha outro remédio se não por o lugar à disposição”, justificou.

O autarca social-democrata disse que, no entanto, está a reconsiderar porque foi “eleito por unanimidade na CIM” e “todos os colegas ontem [quarta-feira] presentes” lho pediram, inclusivamente os presidentes das câmaras de Mangualde e de Penalva do Castelo.

“Tenho de reconhecer que tiveram uma atitude que me tocou. Pediram-me duas ou três vezes desculpa. Naturalmente, pediram-me para reconsiderar”, contou, admitindo que poderá não bater com a porta agora, mas não permitirá que uma situação destas se volte a repetir.

No final da reunião da câmara, João Azevedo explicou aos jornalistas que foi “convidado para estar presente num espaço público para fazer uma festa pelo facto de aquela obra ter sido edificada”, apesar de ter tido conhecimento da inauguração anterior.

“Eu não tomei iniciativa absolutamente nenhuma. Os convidados que lá estavam, o senhor presidente de Câmara de Mangualde e o senhor presidente da Câmara de Penalva do Castelo, não tomaram a iniciativa. Pelo que me parece pediram desculpa ontem, são eles que têm que assumir essa responsabilidade. Eu fui convidado”, frisou.

Fernando Ruas considerou que, apesar de esta situação se ter passado enquanto presidente da CIM, devia informar quer a Câmara, quer os munícipes de Viseu.

“Devem saber que com este presidente da Câmara isto não existe. Era o que faltava! Eu não faria isto a ninguém”, garantiu.